Watch Dogs: Legion – Análise

Hackers por toda parte!

Os desenvolvedores da Ubisoft Toronto finalmente lançaram o mais novo título da franquia Watch Dogs ao mercado de games, estamos falando de Watch Dogs: Legion, o novo game que promete trazer uma experiência grandiosa e com novas possibilidades para a franquia, vamos conferir todos os detalhes ao decorrer desta análise sem spoilers.

Watch Dogs: Legion foi lançado oficialmente em 29 de outubro de 2020 para as plataformas Xbox One, PlayStation 4 e Computador (PC), vale lembrar que o jogo também vai estar disponível para os consoles da próxima geração em seus respectivos lançamentos.

DEDSEC EM LONDRES

Nossa jornada neste novo título da franquia acontece em uma versão futurista de Londres, uma cidade que se encontra completamente vigiada e a liberdade das pessoas está em constante monitoramento pelo grupo de segurança privado conhecido como Albion, empresa liderada por Nigel Cass. A história começa em um momento onde o jogador deve lutar para encontrar um grupo conhecido como Zero Day, responsáveis por um grande atentado que causou destruição em lugares importantes de Londres e que jogaram a culpe sobre o DedSec. Para evitar spoilers significativos para a experiência do jogador, nos não vamos nos aprofundar ainda mais na história.

Uma das principais novidades em Watch Dogs: Legion é que os jogadores podem recrutar e controlar diversos NPC’s para se tornar um membro da DedSec, isso mesmo, você pode recrutar e jogar com um personagem trabalhador da área de construção, um segurança, um cidadão comum ou até mesmo uma velha senhora para lutar pela causa destes hackers. Vale mencionar que assim como em seus antecessores, o nosso ‘hacker’ pode controlar os mais diversos equipamentos eletrônicos utilizando apenas o seu celular.

Sem duvidas poder controlar diversos personagens é algo novo para a franquia e traz novas possibilidades, cada personagem recrutado apresenta habilidades especificas de acordo com o seu próprio estilo, falaremos mais sobre estas mecânicas de gameplay dos personagens ao decorrer desta análise.

RECRUTANDO HACKERS

Diferente dos títulos antecessores onde podíamos controlar apenas um personagem, agora podemos recrutar diversos hackers e controlar eles da maneira que desejar durante as missões, mas eles também podem ser presos e ficar indisponíveis por um determinado período de tempo, por um lado a nossa experiência se torna mais diversificada e com muitas possibilidades interessantes, mas por outro lado a história acaba não apresentando um personagem tão marcante quanto o primeiro título que nos apresentou Aiden Pierce (personagem do primeiro jogo da franquia), o que queremos dizer é que se os nossos NPC’s recrutados morrem (se ativado no inicio do jogo), você pode controlar um novo personagem, então é difícil ‘se importar’ com as histórias e motivações por trás destes NPC’s, então eles acabam não mostrando o mesmo nível de impacto ao jogador.

Vale mencionar que para recrutar novos hackers, você deve realizar uma missão de recrutamento, ajudando o NPC com algum objetivo especifico, a partir deste momento ele passa a fazer parte do seu grupo e pode ser controlado pelo jogador, mas se por acaso um membro da família deste NPC tiver sido morto por um membro da DedSec, é provável que ele não aceite participar.

Ao realizar missões em uma área determinada, o jogador ganha confiança da população local e assim pode desbloquear e recrutar um novo agente, estes agentes possuem habilidades muito uteis ao decorrer da sua jornada.

PERCORRENDO A CIDADE

Além das atividades principais do jogo, também podemos notar diversas missões secundarias, como por exemplo a possibilidade de coletar e entregar pacotes ‘Parcel Fox’, este tipo de atividade funciona basicamente como os ‘correios’ onde você coleta uma encomenda e entrega no local de destino, ao concluir estas atividades o jogador consegue ainda mais recursos.

Ao percorrer a cidade de Londres o jogador poderá utilizar os mais diversos tipos de veículos, entre eles estão carros, caminhões, motos e você pode até mesmo utilizar uma viagem rápida através das estações de metro.

ARMAS E UTILIDADES

Algo que também vale apena mencionar em Watch Dogs: Legion é com relação aos equipamentos apresentados no jogo, o título apresenta armas não-letais, armas de fogo, drones e câmeras que podem ser hackeadas e algo muito interessante é com relação aos grandes drones de carga, este tipo de dispositivo pode mover grandes objetos e também carregar o jogador sobre ele, permitindo que você sobrevoe praticamente qualquer lugar.

Além de todos os aparatos tecnológicos que estão a disposição do jogador, também podemos ativar um ‘pulso’ de radar, que nos permite encontrar com facilidade os dispositivos que podem ser hackeados. Os jogadores também podem customizar os seus agentes utilizando o dinheiro ganho ao concluir objetivos, podendo trocar chapéu, óculos, roupas, etc.

Ao conseguir pontos de aprimoramento o jogador também pode desbloquear novos dispositivos, armas, hacks e também melhorias que ajudam ao decorrer do game.

O VISUAL E ASPECTO SONORO

Outro ponto muito interessante que vale apena mencionar sobre Watch Dogs: Legion é com relação ao seu aspecto visual, no game podemos notar que todos os ambientes foram muito bem trabalhados e é possível ver detalhes pelos mais diversos lugares da cidade de Londres, apesar disso existem algumas texturas especificas que não possuem uma qualidade tão agradável, mas como este é um título ‘Cross-gen’ os jogadores também poderão observar uma qualidade ainda mais incrível ao jogar este título nos consoles da Next-gen, podendo ter um visual em 4K/60fps com HDR e Ray-tracing.

Com relação ao aspecto sonoro do jogo podemos perceber um alto nível de qualidade não somente ao longo dos efeitos de ambientes, musicas, explosões, chuva, como também através da sua dublagem, o título se encontra totalmente localizado em nosso idioma, ou seja, o jogo está dublado em Português do Brasil.

CONCLUSÃO

A nossa jornada em Watch Dogs: Legion se mostrou interessante em muitos aspectos, seja através do seu belo visual por toda a cidade de Londres, a sua jogabilidade facilmente compreensiva, e até mesmo um destaque para a sua aposta em um jogo sem um ‘personagem principal’, colocando o jogador no comando de NPC’s recrutados pelo mundo.

Apesar de ser uma aposta interessante, a utilização de diversos NPC’s não passou uma sensação tão profunda, o jogador basicamente realiza uma missão para o NPC e pode recruta-lo, após isso ele pode ser controlado a todo vapor pelo jogador, não existe um ponto que seja impactante com acontecimentos marcantes que envolvam a história daquele personagem de uma forma mais profunda, como costumava acontecer nos títulos anteriores.

Vale mencionar que durante esta análise não tivemos nenhum problema de desempenho do jogo através do console Xbox One, tudo ocorreu perfeitamente, notamos apenas um ou dois bugs aleatórios com relação a movimentação de NPC’s, mas não foi nada que prejudicasse a experiência do jogo.

Contudo, o jogo se mostrou bastante divertido, e sem duvidas oferece muitas de horas de diversão, tudo isso através de um visual que deve agradar aqueles que buscam experiências novas e dignas do inicio de uma nova geração de videogames.


Jucélio “Lenda” Verissimo
Xbox One

Watch Dogs: Legion foi gentilmente cedido pela Ubisoft para a realização desta análise.

Esta review representa a nossa opinião diante de tudo o que vimos e experimentamos, sabemos que cada pessoa possui opiniões diferentes em alguns aspectos, por isso sempre encorajamos que todos experimentem e tirem as suas próprias conclusões.

PONTOS POSITIVOS:

◆ Ótimo desempenho no console Xbox One, não houve nenhuma queda notável no frame-rate;
◆ Variedade de opções de customização de aparência dos agentes;
◆ Acompanha dublagem completa em Português do Brasil;
◆ Boa diversidade de veículos para utilizar;

PONTOS NEGATIVOS:

◆ Telas de transição costumam demorar um pouco acima do normal (isso não deve ser problema ao jogar o título em um SSD ou consoles da próxima geração);
◆ Durante esta análise encontramos apenas um ou dois bugs aleatórios, mas nada que prejudique a experiência;
◆ As histórias por trás dos NPC's recrutados não passam uma sensação tão profunda quanto esperávamos;
Jogabilidade
8
Aspecto Visual
8.7
Aspecto Sonoro
9.2
Dificuldade
7.5
História
8.5
Diversão
8.4

Sobre o autor

Jucélio Verissimo
Fundador da Lenda Games, Editor-Chefe e Criador de Conteúdo em texto e streaming. Considero os melhores jogos de todos os tempos como Grim Fandango, Twinsen's Odyssey, Final Fantasy VIII e Diablo 2.

RELACIONADOS

PUBLICIDADE

-Advertisement-

COMENTÁRIOS

PUBLICIDADE

-Advertisement-

PUBLICIDADE

LANÇAMENTOS

Redes Sociais

20,262FansLike
14,284FollowersFollow
2,857FollowersFollow

PUBLICIDADE

-Advertisment-

PARCEIROS VERIFICADOS

PUBLICIDADE

-Advertisment-

ACOMPANHE NO FACEBOOK

CONSOLES

Please disable your adblock and script blockers to view this page.