Futuros consoles sem leitor de disco?

Com o recente rumor de que a Microsoft estaria trabalhando em um novo modelo de Xbox sem leitor de disco, focado na mídia digital, me dei conta de que isso é um curso natural da evolução do mercado de games, e que essa evolução vem sendo postergada, tendo em vista de que nos computadores já temos essa prática há muito tempo, e a urgência de bater de frente com a pirataria, coisa que os consoles dessa geração não precisam lidar, salvo exceções.

Existe toda uma questão de logística por trás da distribuição e venda de jogos em mídia física, e tudo isso acaba afetando o valor final do produto, por outro lado, com a mídia digital o procedimento é muito mais simples, barateando os custos e consequentemente o valor final dos jogos. O que acontece no entanto, é que os jogos em mídia digital vendidos nos consoles não podem custar muito mais barato que os jogos em mídia física pois isso desestimula o varejo a comercializar os mesmos.

Os mais atentos já devem ter notado a agressividade de promoções tanto na PSN quanto na Xbox Live, onde os jogos tem aparecido com um preço muito atraente, meio que forçando o varejo a acompanhar os preços ou do contrário arriscam ficar com os jogos encalhados para futuramente acabarem vendendo a “preço de banana”.

O primeiro grande passo dado pela Microsoft com certeza foi o seu serviço Xbox Game Pass, que oferece mais de uma centena de jogos por um valor mensal. Um console sem leitor de disco e com esse serviço incluso por um ano, por exemplo, não seria nenhuma loucura, muito pelo contrário, seria uma grande porta de entrada pra transição do mercado, tornando a mídia física um nicho específico, pois há sim aqueles que primeiramente querem ter o jogo pra colecionar e ai quem sabe jogar, curtir a experiência do título em questão.

É inegável a comodidade de simplesmente comprar o jogo na loja do console, fazer o download e já jogar, ao invés de ter que ir á loja ou comprar pela internet e aguardar o envio do produto.

Existem jogos que possuem seu lançamento exclusivamente digital e posteriormente, conforme a demanda, ganham uma versão física, muitas vezes feita e distribuída pela própria empresa responsável pelo título, facilitando todo o processo e eliminando terceiros para evitar o encarecimento do valor final.

Essa prática abre um paralelo entre o que temos agora e o que teremos no futuro do mercado de jogos, é a comprovação de que o fim da mídia física não significa sua morte ou extinção, mas sim uma transformação, permitindo que as pessoas possam ter o produto que querem pelo melhor valor possível, levando em conta se o mesmo se trata de uma cópia digital ou de uma capinha com encarte, disco, manual e eventualmente algum brinde.

O valor final dos consoles sem leitor também pode ser um atrativo, pois toda a arquitetura seria reduzida com esse componente a menos, baixando o custo de produção e abrindo portas inclusive pro mercado de streaming de jogos, com aparelhos híbridos que rodem em qualquer tela, ou quem sabe, múltiplas telas.

Como consumidores só nos resta aguardar, sempre ansiosos e atentos com as novidades que chegam diariamente nesse nosso tão querido mundo dos Videogames, abraçando boas ideias e rejeitando práticas que visem apenas o lucro acima da qualidade.

Assim o mercado cresce saudável e cada vez mais acessível e intuitivo, afinal tem muita gente chegando agora e todos são bem-vindos.

Sobre o autor

Avatar
Raphael Papastathopouloshttps://lendagames.com
Meu nome é Raphael Papastathoulous, tenho 30 anos e estou junto a Lenda Games a vários meses sempre produzindo artigos de conteúdo original com um pensamento critico em relação aos acontecimentos recentes no mundo dos games.

RELACIONADOS

PUBLICIDADE

COMENTÁRIOS

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

LANÇAMENTOS

Redes Sociais

20,676FansLike
984FollowersFollow
3,015FollowersFollow

PUBLICIDADE

PARCEIROS VERIFICADOS

PUBLICIDADE

ACOMPANHE NO FACEBOOK

CONSOLES